Precisa excluir o pão da alimentação diária para emagrecer?

Não vou mais comer pão!

Essa é uma das decisões de quem quer emagrecer.

Uma das primeiras coisas que as pessoas excluem no processo de emagrecimento é o pão. Mas será que ele é esse é um vilão mesmo?

O pão é feito do trigo, que é um cereal fonte de carboidrato, assim como o arroz e milho. Em uma alimentação balanceada, é onde os especialistas dizem que encontramos as fontes de carboidrato, por isso a recomendação deles é que o consumo do pão não precisa ser proibido, mas sim equilibrado com outros alimentos para que a refeição fique completa.

O primeiro passo que ao incluir o pão na rotina é focar em qual tipo você vai incluir. Os melhores são os pães de fermentação natural, que são melhor digeridos pelo nosso corpo. Depois entram os pães caseiros e o francês de padaria, considerados alimentos minimamente processados, compostos de farinha de trigo, água, sal e fermento biológico. Por não levar aditivos químicos e/ou conservantes na sua composição, são considerados produtos saudáveis e podem ser incluídos tranquilamente na alimentação.

Já os pães de forma, que compramos nos supermercados, são alimentos ultraprocessados, pois levam aditivos artificiais para que a vida na prateleira seja longa. Esses alimentos podem ser incluídos na rotina, porém não podem ser a base da alimentação.

Dentro desses tipos que citei temos a versão tradicional e a integral. Claro que a integral vai ser mais nutritiva, pois usa o grão inteiro e possui fibras, o que aumenta a sensação de saciedade da refeição. No entanto, se você acha mais gostoso o branco, não precisa se obrigar a comer o integral, basta incluir fibras e nutrientes na refeição, adicionando legumes e verduras.

Para criar essa refeição balanceada, basta fazer uma comparação com um prato de comida, por exemplo. Normalmente, consumimos arroz com alguma proteína e vegetais. Para montar uma refeição com pão, vamos substituir o arroz pelo pão e manter as proteínas, se possível de origem vegetal e os próprios vegetais. O foco sempre vai ser pensar em qual proteína e vegetal você vai incluir junto com o pão.

Os especialistas dão como sugestão se você quer consumir pão pela manhã, por exemplo, uma boa maneira seria fazer um refogado com cebola, tomate e ovos mexidos. Agora, se for para ter um lanche prático para o almoço, a sugestão é você fazer um patê com atum e cenoura ralada —para o pão não ficar muito mole, na hora de montar, coloque uma fatia de pão, uma folha de alface (seque bem a folha com papel toalha), coloque o patê, mais uma folha de alface e a outra fatia do pão, dessa forma o alface impede que o pão absorva a umidade do patê. Quando chegar no jantar o ideal é até para fazer algo mais elaborado, como um hambúrguer caseiro (feito de preferencia com grãos integrais como grão de bico, lentilha, quinoa e temperos naturais) acompanhado de alface e tomate.

O que não podemos é comer apenas o pão sozinho, sem nenhum acompanhamento, pois dessa forma a refeição fica pobre em nutrientes e apenas fonte de carboidrato. Por isso não foque em cortar seu pão, mas sim em balanceá-lo com alimentos nutritivos.

Evite completamente o uso de alimentos processados e ultra processados, isso faz uma grande diferença e torna a alimentação muito mais saudável e natural.

Saiba como o Programa de Emagrecimento Equilibrando pode ajudar

Preparamos um programa de Emagrecimento que pode ajudar nas mudanças dos hábitos alimentares, no controle da ansiedade e muito mais, entre na plataforma online.

Conheça o Programa de Emagrecimento Equilibrando

Espero você. Até breve!

Até breve.

5 alimentos que fazem mal à saúde, mas muitas pessoas não sabem

Quais alimentos comer? Em busca de resultados físicos, energéticos ou de qualquer outro aspecto, muitas pessoas acabam caindo em mitos sobre a alimentação espalhados pelo senso comum ou pela própria internet.

O problema é que isso pode gerar o aumento do consumo de comidas e bebidas que podem acabar atrapalhando o caminho até o objetivo. Por isso, a nutricionista Monik Cabral, preparou uma lista com 5 alimentos que podem ser prejudiciais à saúde e aos resultados:

ALIMENTOS QUE NÃO SÃO TÃO SAUDÁVEIS ASSIM:

PEITO DE PERU

O peito de peru é utilizado comumente para produção de sanduíches naturais e lanches saudáveis por conter menor teor de gordura em relação aos outros embutidos.

Porém na verdade, o alimento se destaca como um dos vilões da saúde. Ele não é nada saudável. Tem muito sódio, glicose, açúcar, nitrito e também nitrato, que é uma substância cancerígena.

BACON

Existem diferenças entre as formas de produção de diferentes tipos de bacon. Uma coisa é um bacon artesanal de porco de quintal, feito sem a presença de industrializados. Outra coisa é um bacon de porco que come ração, passa pelo processo industrial com nitratos e nitritos adicionados, fumaça líquida, açúcar e glutamato monossódico. O que faz mal é a carne processada, que no processo de industrialização recebe substâncias perigosas para a saúde. Faça o seu próprio bacon: compre a barriga do porco, processe e prepare.

ÁGUA TÔNICA

Essa bebida se popularizou por ser comumente misturada a outras bebidas alcoólicas para a produção de drinks, muitas vezes, sendo, inclusive, considerada menos calórica.

Contudo a água tônica, na verdade, é um refrigerante. O gosto amargo é explicado pela presença de uma substância chamada quinina, que pode ser prejudicial à saúde se consumida em grande quantidade. É adoçada com xarope de milho ou açúcar e possui a mesma quantidade de calorias que outros refrigerantes. A versão diet também contém adoçantes artificiais aspartame.

GELATINA

Ao contrário do que muitos pensam, a gelatina não é uma boa opção para o emagrecimento. Quando analisamos o rótulo, observamos um monte de açúcar e corantes. Nas opções diet e zero, encontramos maltodextrina, adoçantes e corantes que fazem mal para nossa saúde. Nem o colágeno da gelatina ajuda na saúde, já que 120g de gelatina têm cerca de 0,76 a 2g de colágeno e o ideal é consumir de 8 a 10g da substância por dia para que os benefícios sejam visíveis.

PEIXE ENLATADO

Peixe é um dos alimentos mais utilizados em dietas e por aqueles que buscam uma rotina mais saudável. Mas é necessário atenção ao tipo de peixe consumido. Quando o peixe é enlatado com água, os metais ficam depositados nele. E ao consumirmos, esses metais vão direto para o nosso organismo.

Existe uma alternativa nesse caso: o alumínio da lata (que é tóxico) migra para o óleo, protegendo, assim, o atum. Então, deve-se escorrer todo o óleo com auxílio de uma peneira. Lembre-se: atum e sardinha sempre em óleo!

Observe que você pode ter escolhido esses alimentos no mercado sem se dar conta disso. Constantemente somos expostos a esses alimentos, que são saborosos, atraentes, práticos, baratos, abundantes, mas pouco benéficos para a nossa saúde.

Assim, são necessárias medidas, como taxar bebidas e alimentos que causam mal à saúde, é preciso que se limite a publicidade de alimentos (principalmente daqueles direcionados para crianças) e, ao mesmo tempo, incentivar a produção e o consumo de alimentos in natura.

Saiba como o Programa de Emagrecimento Equilibrando pode ajudar

Preparamos um programa de Emagrecimento que pode ajudar nas mudanças dos hábitos alimentares, no controle da ansiedade e muito mais, entre na plataforma online.

Conheça o Programa de Emagrecimento Equilibrando

Espero você. Até breve!

Até breve.

Alimentos Ultraprocessados por causar vício?

O consumo de alimentos Ultraprocessados pode ativar nosso sistema de recompensa e provocar reações muito gratificantes, podendo gerar comportamentos semelhantes ao abuso de certas drogas, como um "vício alimentar".

Com a perda de controle diante da comida, consumo frequente de certos alimentos apesar se saber das consequências negativas para a saúde são considerados comportamentos alimentares semelhantes aos de dependência ou "vício em comida".

Nesse caso, as pessoas geralmente comem mais do que acham que deveriam, sentem que perdem o controle diante da comida e acreditam ser preciso comer cada vez mais certos alimentos para atenuar sentimentos negativos ou obter mais prazer, gerando um forte sofrimento diante da alimentação, como acontece em quadros de compulsão alimentar.

Considerando que as substâncias que causam dependência raramente estão em seu estado natural, mas foram alteradas de maneira a aumentar seu potencial viciante (por exemplo, folhas de coca são transformadas em cocaína e as papoulas, em ópio), algumas pesquisas consideram que algo semelhante poderia acontecer com os alimentos ultraprocessados, que passam por diversos processos industriais, em geral com adição de gorduras, açúcares, adoçantes artificiais e outros aditivos alimentares.

Em um estudo, 120 participantes completaram a Escala de Dependência Alimentar de Yale (YFAS). A própria Ashley Gearhardt, líder do estudo, desenvolveu em colaboração com outros pesquisadores a escala, usando critérios diagnósticos para dependência de substâncias do Manual de Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM-IV) para quantificar sintomas de alimentação semelhante à dependência. As pessoas deveriam responder com que frequência apresentavam comportamentos de "vício em comida" a partir de afirmações como: "eu passo muito tempo me sentindo lento ou letárgico por comer demais"; "tenho problemas significativos na minha capacidade de funcionar de forma eficaz (rotina diária, trabalho/escola, atividades sociais, atividades familiares, dificuldades de saúde) por causa da alimentação"; "meu comportamento em relação à comida causa um sofrimento significativo".

Em seguida, os participantes escolheram quais alimentos (35 deles com variáveis composições nutricionais) estavam mais associados a comportamentos alimentares semelhantes aos de dependência.

Em outro estudo usando os mesmos 35 alimentos, se investigou quais atributos dos alimentos (por exemplo, gramas de gordura, carga glicêmica) estavam relacionados ao "vício em comida" e explorou a influência das diferenças individuais para esta associação.

A partir dessas pesquisas, foi observado que os alimentos ultraprocessados, com grandes quantidades de gordura e elevada carga glicêmica, foram mais propensos a apresentarem associação com comportamentos alimentares semelhantes ao de dependência.

Como os alimentos ultraprocessados hoje fazem parte da nossa alimentação em quantidades maiores do que o desejável, mas a solução pode não está na exclusão, mas pelo menos na redução.

Uma estratégia mais eficaz e que pode contribuir bastante para evitar o "vício em comida" é adotar uma alimentação variada e incluir cada vez mais alimentos frescos e caseiros. Dessa forma, é possível não só aumentar o consumo de alimentos in natura, mas diminuir, por consequência, o consumo de alimentos ultraprocessados, que devem ficar limitados a momentos ocasionais, como exceção, e não regra na alimentação.

No entanto, para isso acontecer, são necessárias não apenas ações individuais, mas também políticas, pois muitas questões que envolvem a alimentação estão imbricadas com a sociedade, as emoções, hábitos e experiências, tornando nossas escolhas alimentares fruto de diversas questões das quais muitas vezes não temos consciência.

Você, provavelmente, já escolheu um ultraprocessado no mercado sem se dar conta disso. Constantemente somos expostos a esses alimentos, que são saborosos, atraentes, práticos, baratos, abundantes, mas pouco benéficos para a nossa saúde.

Assim, são necessárias medidas, como taxar bebidas e alimentos ultraprocessados, limitar a publicidade de alimentos (principalmente daqueles direcionados para crianças) e, ao mesmo tempo, incentivar a produção e o consumo de alimentos in natura.

Saiba como o Programa de Emagrecimento Equilibrando pode ajudar

Preparamos um programa de Emagrecimento que pode ajudar nas mudanças dos hábitos alimentares, no controle da ansiedade e muito mais, entre na plataforma online.

Conheça o Programa de Emagrecimento Equilibrando

Espero você. Até breve!

Até breve.

Perder peso pode ter vínculo com a atividade cerebral

Perder peso é o que milhões de pessoas procuram fazer em grande parte do tempo. Mas para perder ou manter o peso, é preciso muito mais do que força de vontade para algumas pessoas. Isso porque o emagrecimento e o consumo em excesso de alimentos podem estar associados a atividade cerebral.

Isso é o que indica uma pesquisa de uma Universidade de Israel.

De acordo com os pesquisadores, em geral a pessoas com uma resposta neurológia aumentada ao ver e sentir o odor da comida, comem mais e ganham mais peso.

Foi descoberta uma relação entre os neurônios e a frequência elétrica basal gástrica, que está relacionada com a perda de peso.

A equipe avaliou 92 pessoas por um ano e meio. Os participantes foram selecionados com base na circunferência da cintura, níveis anormais de lipídios (gorduras) no sangue e idade.

Essas pessoas realizaram diversos exames de imagens cerebrais e testes de funções cerebrais responsáveis pelo comportamento antes e durante a pesquisa. A perda de peso dos participantes foi medida após seis meses de dieta.

Os pesquisadores identificaram uma conexão entre a atividade elétrica do estômago, que se correlaciona com a perda de peso, baseando-se na conectividade cerebral. Essa atividade comanda as ondas gástricas associadas a sensação de fome e de saciedade.

Ao que tudo indica, parece que a informação visual pode ser um fator importante na hora da alimentação.

É possível que esses resultados podem ser importantes no futuro para compreender a relação entre a obesidade e como funciona o mecanismo cerebral em resposta a uma dieta.

No Programa de Emagrecimento Equilibrando as técnicas reprogramação dos Hábitos alimentares diários utilizam a Neurolinguística, a Hipnoterapia e o Conhecimento Oriental Milenar para emagrecer de forma saudável e natural, saiba mais em app.equilbrando.com.br.

6 sinais quando há excesso de carboidrato em nosso corpo

Nosso corpo dá sinais quando se consome algo em excesso.

No caso dos carboidratos, - além de problemas a longo prazo, - acontecem sintomas que são ignorados no dia a dia.

Mas esses sintomas podem ser consequências desse alimento.

Existem muitas pesquisas sobre esse assunto, - eu separei algumas delas.

Elas mostram quais são os problemas causados - pelo excesso de carboidratos.

1. Primeiro, a produção de gordura e o aumento de peso

Esse é o sinal mais comum - o aumento de peso. Isso acontece quando se consome mais carboidratos do que o necessário - e, assim, temos mais energia do que precisamos.

Nesse caso o corpo gera uma quantidade maior de insulina, - um hormônio produzido no pâncreas, - isso faz com que as células adiposas – aumentem a gordura na região abdominal.

2. Segundo, o cansaço excessivo

O estímulo para a produção de gordura corporal - causado pelo grande consumo de carboidratos - também está associado ao cansaço.

Os carboidratos na dose certa são combustíveis, - mas em excesso geram cansaço no nosso corpo.

A recomendação é consumir fontes de carboidratos não processados, - assim o corpo usa a energia lentamente - e evita a sensação de esgotamento.

3. Terceiro, as noites mal dormidas

Observe se você está demorando pra pegar no sono.

Comendo carboidratos - você gera mais energia - e prolonga o processo digestivo, - e isso pode atrapalhar o seu sono.

O ideal é fazer uma refeição mais leve, - e bem antes da hora de dormir, - assim o seu corpo tem mais tempo para processar o alimento.

4. Quarto, problemas na boca

As cáries, a inflamação da gengiva e o mau hálito - também podem ser resultado - da alimentação desequilibrada de carboidratos.

- As bactérias presentes na boca transformam o açúcar os alimentos, aumentam a acidez e provocam cáries.

O açúcar aumenta a placa bacteriana - e se não for tratada pode causar mau hálito e a gengivite - o inchaço e sangramento.

5. Quinto, problemas no rosto, as acnes

A acne também pode ter origem a partir da alimentação com carboidratos processados.

Isso acontece - porque alimentos com farinha branca - produzem mais insulina, -e deixam a pele mais oleosa.

6. Sexto, mais estrias

As estrias no corpo são mais um problema - em que a causa pode ser da alimentação.

Comer alimentos refinados – pode causar essas lesões na pele, - culpa do efeito sanfona.

Quando o estiramento da pele é muito rápido - ela não consegue se adaptar, - isso provoca uma ruptura de fibras e causa cicatrizes.

Então, qual a quantidade ideal de carboidratos? – Quanto podemos comer?

O consumo de carboidratos é muito importante – para ter uma vida saudável, - para preservar a massa magra.

Além disso ele ajuda na imunidade e na saúde da flora intestinal.

Mas a quantidade depende de cada pessoa – depende do índice de gordura no corpo.

Depende também do peso e da altura.

Além disso, você precisa saber - quais resultados deseja alcançar para o seu corpo.

As pesquisas mostram - que a recomendação geral, - é consumir de 50% a 65% do valor calórico diário, - mas de carboidratos não processados, - mas faça isso de acordo com seu nutricionista.

Saiba como o Programa de Emagrecimento Equilibrando pode ajudar

Preparamos um programa de Emagrecimento que pode ajudar nas mudanças dos hábitos alimentares, no controle da ansiedade e muito mais, entre na plataforma online.

Conheça o Programa de Emagrecimento Equilibrando

Espero você. Até breve!

Até breve.

14 passos para mudar seu paladar e diminuir o excesso de açúcar, sal e gordura

Se você já tentou fazer uma mudança nos seus hábitos alimentares, - então sabe como isso é complicado.

A maior dificuldade está no sabor, - no paladar – principalmente nos alimentos salgados, ou com açúcar e gordura.

Os exemplos são fáceis - batata frita, coxinha, sorvete - e muitos outros alimentos saborosos — mas esses alimentos mexem com a química cerebral.

As pesquisas publicadas demonstram que a gordura e o açúcar em excesso interferem no circuito do prazer relacionado com a alimentação, condicionando você a escolher sempre alimentos enriquecidos destes dois nutrientes.

Quando você come um brigadeiro - que é rico em– você sente uma sensação prazerosa. Isso acontece porque o açúcar e gordura acionam o neurotransmissor da dopamina, que faz parte do mecanismo de prazer.

Mudar esse processo é possível, mas precisa força de vontade e disciplina. A mudança de hábito alimentar ganha consistência depois de três semanas de uma alimentação mais equilibrada.

1. Incremente o sabor

Uma alimentação equilibrada pode e deve ser prazerosa. Afinal, é difícil pegar gosto por algo que não agrada. Descubra texturas, misture sabores doces e salgados, incremente a salada com um pouco de queijo como light, novos legumes, frutas secas e sementes e até mesmo molhos mais leves. Use mais temperos, se gostar capriche no alho e na cebola.

2. Como aquilo que já gosta, mas outras maneiras

Uma boa maneira de mudas os hábitos na hora de comer - é pegar um alimento que você já é fã e comê-lo de outra maneira. Por exemplo, pêssego. Se você gosta do suco, experimente picado, depois que se acostumar, teste colocar pequenos pedaços na salada, misture com outra fruta e vá usando para se acostumar com alimentos diferentes.

3. Mude aos poucos

As mudanças não acontecem da noite pro dia e leva um tempo até o paladar mudar pra valer. A alimentação envolve muitos processos além de mastigar: é preciso comprar a comida, preparar, planejar, rever os hábitos. Ou seja, não é simples. Pode demorar meses até que o hábito se transforme em prazer, mas uma hora acontece, basta insistir.

4. Descascar mais e desembalar menos

Descascar mais e desembalar menos é melhor para a saúde. Mas a mudança dá trabalho, muitas pessoas desistem antes mesmo de sentir na prática os benefícios da nova atitude. Observe com atenção aquelas pequenas coisas que melhoram quando você muda a rotina. Por exemplo, se você adotou uma alimentação mais consciente, mais equilibrada – veja se está dormindo melhor e mais disposto.

5. Comece diminuindo o que você gosta menos

Se você exagera no sal, na gordura e no açúcar, que tal escolher o que menos fará falta para reduzir? Por exemplo: se o doce é o seu ponto fraco, comece a diminuir o sal ou a gordura e antes de diminuir os doces.

6. Diminua o que você mais gosta gradualmente

Se você coloca duas colheres de sopa de açúcar no café, reduza aos poucos para que o paladar não se assuste. Mude para uma ou uma e meia, espere uns dias para que a adaptação ocorra e aí tire mais um pouquinho. Esse treino pode demorar algumas semanas, mas dá resultado.

7. Experimente novos sabores

Quando estiver fora de casa aproveite para provar novos sabores. Quando você experimenta uma alimentação diferente, seu cérebro fará uma associação desse sabor dele à uma memória boa e à sensação agradável de conhecer um novo lugar.

8. Mude o ambiente ao seu redor

Comer é um hábito social, por isso é mais difícil mudar sozinho. Compre novos ingredientes no mercado e convide seus amigos, colegas e familiares e explique sobre a importância das mudanças que você que fazer na alimentação, ofereça alimentos feitos em casa.

9. Não exclua nada completamente da sua alimentação

Um dos motivos para a mudança nos hábitos alimentares não dar certo é que ela costuma ser associada à exclusão de tudo que você gosta. E a ideia é justamente o contrário: tudo pode fazer parte de uma alimentação equilibrada. A sua vida não deve girar em torno da comida.

10. Não compare um doce com uma fruta

A relação emocional com o cardápio é fundamental. Pensar toda hora que um brigadeiro não é uma maçã, e não é mesmo, pode dar a ideia de que a fruta nunca será prazerosa. Então não fique pré-julgando as frutas ou legumes que você come, passe a observar o sabor de cada um deles.

11. Faça trocas e combinações saudáveis, mas saborosas

Se você gosta de chocolate, por que não o consumir com uma fruta? Seguindo essa dica, você pode fazer mudanças simples que não alteram tanto o cardápio, como trocar um alimento de carboidrato refinado por integral, ou a batata frita por batata assada.

12. Não faça barganhas

Observe que fazer trocas e combinações é diferente de barganhar com seu cérebro. Por exemplo: se você não é fã de brócolis, evite pensar que "vai comer porque depois do almoço a sobremesa é saborosa". Pense em comer o brócolis de maneiras diferente e saborosas, com novos temperos para realmente possa inclui na sua alimentação diária.

13. Coma nos horários que você escolher

Uma maneira de inserir alimentos mais saudáveis na sua rotina é pensar quando será mais fácil consumi-los. Por exemplo: se você precisa frutas, qual o momento do dia acha mais fácil consumir? Pense nisso considerando que será preciso comprar, armazenar e preparar, e que tudo leva tempo, então escolha o horário que é mais conveniente para você.

14. Coloque “a mão na massa” na cozinha

O hábito de preparar a própria comida ajuda a perceber o que você põe no prato, assim você pode conhecer todos os ingredientes - quando estiver cozinhando. Colocar a mão na massa requer algum esforço, mas não precisa ser todo o dia, faça com prazer.

Saiba como o Programa de Emagrecimento Equilibrando pode ajudar

Preparamos um programa de Emagrecimento que pode ajudar nas mudanças dos hábitos alimentares, no controle da ansiedade e muito mais, entre na plataforma online.

Conheça o Programa de Emagrecimento Equilibrando

Espero você. Até breve!

Como ter controle do peso, emagrecer e ter a saúde física e emocional

O controle do peso, a obesidade, o esforço para emagrecer de forma saudável, essas questões entraram no dia a dia de muitas pessoas.

O que podemos concluir facilmente é que não ter uma alimentação saudável é uma das três causas que impedem o corpo de emagrecer.

O consumo de alimentos que usam produtos refinados, como o açúcar e a farinha branca, e os alimentos processados, como os embutidos (tipo hamburger, presunto, salame, salsicha), assim como também biscoitos, batata frita, são os grandes vilões da nossa alimentação.

O problema é que mesmo sabendo que esses alimentos deveriam ser evitados, eles acabam entrando na nossa alimentação diária, e causando a obesidade e muitas doenças graves.

Mas qual o motivo? Por que nós comemos isso?

A resposta é porque falta o “autocontrole” na hora de comer e mesmo sabendo que “não deve”, você come.

O oposto também é verdadeiro:

Os alimentos não são refinados, integrais, assim como os alimentos que não são processados, com fibras e nutrientes, saudáveis, e que inclusive diminuem a gordura corporal, ficam fora da alimentação ideal.

Essa é a primeira causa que impede o corpo de emagrecer, a Ansiedade é a segunda.

A ansiedade é a repetição contínua do estresse. Quando você sente estresse isso libera o cortisol no seu corpo. O cortisol então diminui a massa muscular e aumenta a sua gordura corporal.

Quando o stress é pontual o problema é resolvido, o corpo volta à normalidade, mas quando stress se prolonga, então surge um grande problema.

Você pode perceber:

Quando a ansiedade é constante você come mais e parece que a fome não passa.

Essa é uma das situações em que se perde o “autocontrole” com a alimentação, então tratar a ansiedade é fundamental para que você possa reduzir esses níveis de cortisol.

Manter a mente calma, recuperar a autoconfiança, perceber que as situações, por mais complicadas que sejam, em algum momento serão solucionadas, é assim que enfrentamos a ansiedade, as soluções sempre aparecem.

Diminuindo a ansiedade, o corpo se reequilibra e volta a perder peso.

A ansiedade e o consumo de alimentos refinados e processados são as duas primeiras causas, mas temos mais uma ainda: O desequilíbrio hormonal.

O desequilíbrio hormonal, dos hormônios que controlam a gordura corporal, é a terceira.

Para emagrecer os hormônios como a insulina, a leptina e o cortisol, precisam estar em equilíbrio.

A leptina, por exemplo, tem a função de regular o peso corporal usando o apetite. Quando o corpo tem muita gordura, ela a leptina precisa diminuir esse apetite. Mas se a leptina está alterada ela faz o contrário, aumentando a fome ainda mais.

Já a insulina transforma a glicose, o açúcar no sangue, em energia. Se tem algum problema ela perde o controle das células do corpo e então deixa de gerar energia.

E tem ainda o cortisol, que é liberado pelo stress.  Quando stress é constante ele diminui a massa muscular e aumenta a gordura corporal. Se os níveis de cortisol disparam no organismo, então acontece o chamado desequilíbrio hormonal.

É uma verdadeira reação em cadeia:

  1. A tireoide, por exemplo, deixa o metabolismo mais lento, para gastar menos energia e faz você sentir mais fome.
  2. A leptina transmite para o cérebro a informação que existe “falta” gordura.
  3. Ocorre então a insensibilidade à insulina, o cérebro “não entende” que tem gordura demais.
  4. O corpo gera mais cortisol e começa a diminuir os músculos e a engordar.

Veja que a origem de todos esses problemas está na má alimentação.

O que fazer então?

Temos que interromper esse processo que está aumentando a gordura corporal.

Aqui no Instituto Equilibrando temos o Programa de Emagrecimento onde usamos técnicas que incluem a neurolinguística e a hipnoterapia para reprogramar os hábitos e uma relação de alimentos para seguir e que permitem diminuir a gordura. E reprogramando os hábitos com os alimentos certos irá reequilibrar os hormônios.

É possível reprogramar os hábitos alimentares, criando motivação para conquistar resultados a cada dia. Esses hábitos também permitem ter controle da ansiedade, da melhora da autoestima e de uma mudança na conduta com a alimentação.

É um processo em que se aprende a escolher os alimentos que realmente são saudáveis.

Por exemplo: existem certos alimentos que reduzem em quase 30% nos níveis de cortisol. Por isso é fundamental o consumo desses alimentos, de fazer uma mudança na alimentação e mantê-la ao longo do tempo.

É possível reprogramar a nossa mente, recuperar o autocontrole e ter mais calma na hora de escolher os alimentos, os melhores alimentos.

Além disso é possível passar a perceber se está com fome ou se é alguma compulsão por comida.

Seguindo um plano adequado, é possível resolver o desequilíbrio hormonal e ansiedade e voltar a emagrecer.

Saiba como o Programa de Emagrecimento Equilibrando pode ajudar

Preparamos um programa de Emagrecimento que pode ajudar nas mudanças dos hábitos alimentares, no controle da ansiedade e muito mais, entre na plataforma online.

Conheça o Programa de Emagrecimento Equilibrando

Espero você. Até breve!

O que realmente comanda a sua vida?

Para responder essa pergunta eu preciso te explicar como a mente funciona, ela registra todas as informações e experiências que recebemos através dos nossos 5 sentidos.

São trilhões de informações e experiências que temos ao longo da vida, desde o momento em que nascemos.

Desses trilhões de informações e experiências, tudo aquilo que foi repetido muitas e muitas vezes a mente registra no nosso Inconsciente como sendo os comportamentos que passamos a seguir.

Esses comportamentos comandam nossa vida!

Em muitas situações, sem que você perceba, são enviados comandos a partir do seu inconsciente, e você tem reações ou atitudes que não deseja, mas acontecem.

Podemos separar em cinco conjuntos de comportamentos

Primeiro, a sua sobrevivência:

São os comportamentos da sobrevivência, que nos impulsiona a continuar a viver.

Isso influencia, por exemplo, o seu comportamento de comer muito ou pouco e com qualidade ou não vem dessa matriz.

Então quando a fome chega observe como você se alimenta.

Você como depressa ou devagar?

Prefere alimentos gordurosos ou saudáveis?

Então todas as informações e experiências que você teve durante a vida com relação a alimentação define hoje a maneira como você se alimenta!

Os problemas como obesidade, estão associados a esse comportamento.

O segundo é sobre os relacionamentos afetivos:

É um dos comportamentos mais fortes, ele está ligado ao prazer e a atração que sentimos por outras pessoas.

Ele influencia a nossa necessidade de reprodução, para nos mantermos como espécie.

Observe se você é totalmente resolvido com relação ao sexo.

Isso define como você conduz os seus relacionamentos, sejam eles nas suas atitudes, suas ações ou na personalidade das pessoas que você sente atração.

Os comportamentos foram moldados ao longo da sua vida pelas experiências e exemplos que teve.

Se hoje você tem problemas em manter um relacionamento, ou até iniciar um novo, é aqui que o problema precisa ser trabalhado.

O terceiro é o comportamento do autocontrole:

São os comportamos em relação as finanças e relacionamentos interpessoais.

Quanto a sua relação com o dinheiro, você é uma pessoa que gasta tudo o que recebe? Ou guarda uma quantia todo mês? Compra somente o essencial ou esbanja com produtos de marca?

Nos relacionamentos com as pessoas, você procura se impor a elas ou ficar submisso?

Observe como você se comporta quando está conversando com pessoas que considera superiores, seja financeiramente, intelectualmente ou no nível hierárquico do trabalho. Observe também quando tem alguém que você considera inferior.

Esses comportamentos expressam o seu controle emocional, se você tem problemas em manter o autocontrole esse é o comportamento que deve ser trabalhado.

O quarto comportamento é sobre autoconhecimento:

Aqui vem à tona o comportamento que define as suas crenças pessoais, aquilo que você acredita e têm como verdade absoluta.

As suas experiências e o que foi ensinado desde criança, define o que você acredita.

Aquilo que você só ouviu, que foi repetido muitas vezes na sua vida, faz você aceitar como verdade, mesmo sem ter experimentado, questionado ou colocado a prova.

Isso também pode te influenciar na hora de aprender coisas novas ou de desenvolver as suas habilidades. Observe se você costuma dizer “Acho que não consigo aprender isso”. Esse comportamento pode bloquear o seu aprendizado.

Você pode ter esse comportamento apenas por ter convivido com pessoas que te disseram que era impossível aprender algo diferente, porque elas não conseguiram, e você assume que também não pode.

O quinto comportamento é o que trata do Sagrado:

É o comportamento relacionado com o que você considera sagrado.

É o resultado do foi ensinado no ambiente da sua família, aquilo que foi repetido ou imposto pelos seus familiares. É o que define as suas crenças e a sua religião atual, se você tiver uma.

Você está confortável com as questões que envolvem a religião?

O problema é que podem surgir crenças limitantes, o que causa bloqueio no seu processo de crescimento pessoal e profissional.

Faça uma análise desse comportamento para eliminar crenças, medos, dogmas que te limitam seu crescimento.

Esses são os principais comportamentos que comandam sua vida, existem outros, mas conhecendo esses você terá como avaliar se existe algo que está criando bloqueios ou se gerou algum trauma.

Para se livrar de um bloqueio ou de um trauma existem técnicas que utilizamos aqui no Instituto Equilibrando. Se precisar entre em contato no whats.

Até breve!

Dicas do homem “mais feliz do mundo”

Em 2020, Matthieu Ricard, um francês de 74 anos, doutor em biologia molecular e monge budista do mosteiro Shechen Tennyi Dargyeling, no Nepal, e assessor pessoal do Dalai Lama, foi entrevistado sobre o resultado das pesquisas realizadas pelos cientistas da Universidade de Wisconsin, nos EUA, que estudaram a sua mente.

Os pesquisadores fizeram ressonâncias magnéticas nucleares com duração de até três horas no cérebro de Matthieu. Foram conectados cerca de 256 sensores em sua cabeça para analisar o seu nível de estresse, irritabilidade, aborrecimento, prazer, satisfação e muitas outras sensações. O mesmo procedimento aconteceu com centenas de voluntários. O objetivo era medir o nível de felicidade de cada um.

Além de ter o maior resultado entre todos os participantes, o mais interessante é que Matthieu alcançou um nível de felicidade muito superior limites estabelecidos pelo estudo, por isso ganhou o título de "homem mais feliz do mundo".

Na entrevista foi perguntado como você se sente com esse título e a sua resposta foi um novo questionamento: “Como alguém pode saber o nível de felicidade de 7 bilhões de seres humanos? Não faz sentido, certamente não do ponto de vista científico.”

Mas a base dessa pesquisa está associada à um experimento com pessoas passaram muito tempo meditando e apresentaram ao meditar uma magnitude de ativação em certas áreas do cérebro sobre compaixão, mas não felicidade, mais alta do que havia sido detectado até então na neurociência.

Porém, Matthieu diz que a felicidade não é simplesmente uma sucessão interminável de sensações prazerosas, ela está mais para uma forma ideal de ser que resulta do cultivo de muitas qualidades fundamentais, como altruísmo, compaixão, liberdade interior, resiliência, equilíbrio emocional, equilíbrio interior, paz interior e outras.

Também, diferentemente do prazer, todas essas qualidades são habilidades que podem ser cultivadas por meio da prática e do treinamento de nossa mente.

Perguntado sobre qual é o segredo da felicidade, ele considera que está no altruísmo e compaixão e que a busca da felicidade egoísta não funciona, é uma situação em que todos perdem. - “Você torna sua própria vida miserável, enquanto torna a vida dos outros miserável.”

Já com o altruísmo todos ganham, sendo o que o objetivo é levar felicidade aos outros e remediar seu sofrimento e, como resultado, a pessoa sente grande felicidade por ser gentil e benevolente.

Agora sobre aquilo causa sofrimento, Matthieu explica sobre a nossa relação como que desejamos, ele dia que não há nada errado. “Não é o desejo como tal e a riqueza que causam sofrimento, mas nosso apego a eles.”

No momento em que se tem apego, o apego e a obsessão se instalam, você pode ter certeza de que o tormento virá. O problema está em se apegar, em ficar viciado por algo.

Já sobre a tristeza foi perguntado se é algo que criamos em nosso cérebro ou é a sociedade que nos faz infelizes, como resposta ele considera que a felicidade não está só na nossa mente e que qualquer um pode ser a pessoa mais feliz do mundo. Para isso basta ser gentil, compassivo, aberto aos outros e se sentindo facilmente satisfeito com as condições externas.

Parece que esses são os passos para você cultivar a sua felicidade e diminuir a tristeza. Aqui no Instituto Equilibrando temos técnicas que podem te ajudar. Se precisar entre em contato no whats. Espero você.

Tenha mais Autoestima e Autovalorização

Você sabe o que realmente é a autoestima?

Uma das melhores maneiras de defini-la é dizer que é a percepção clara e objetiva que você tem de si mesmo. Além disso é a autoestima que irá influenciar todas as experiências que você irá viver no próximo momento.

Funciona assim:

A sua autoestima, é aquilo que você sente a cada momento, esse sentimento influencia o que você fará a seguir. 

Você pode também sentir que a autoestima é o que te dá paz de espírito e a sua satisfação pessoal.

Por isso quanto mais autoestima você tiver, melhor será a sua vida.

Ter a uma autoestima positiva é uma atitude pessoal. Permite você se sentir bem em relação a si mesmo, faz você realmente gostar de si mesmo e se sentir como parte do mundo, se sentir vivo.

Com ela você se sente seguro e com energia para realizar as mudanças que deseja. Ela pode dar a força necessária para enfrentar aqueles desafios que estão à sua espera, para que você procure por algo que nunca explorou na sua vida e ainda pode tornar todas as suas experiências extremamente agradáveis.

Você pode observar isso. Faça assim:

Mas a questão é:

O que te impede de fazer isso?

O que impede você de optar por ter uma grande autoestima?

A maioria das pessoas não faz esta opção porque simplesmente não conhece os passos necessários para isso.

Sempre se fala de como é importante ter autoestima, mas poucas pessoas sabem quais são meios mais eficazes para consegui-la, mas aqui no Instituto Equilibrando procuramos mostrar diversas maneiras de alcançá-la. Temos técnicas fáceis de aprender com passo a passo para você reforçar mentalmente a sua autoestima, e permitir que isso influencie o seu nível de sucesso pessoal.

Outro ponto importante é que a sua força de vontade tem muito pouco a ver com melhorar a autoestima. Não é preciso forçar sua mente para mudar o que você pensa de si mesmo. Na prática ter força de vontade também não basta para criar a autoestima.

E você pode descobrir isso sozinho, muitas vezes e da maneira mais difícil. Acontece que toda a força de vontade do mundo não criará uma impressão objetiva e favorável de si mesmo que influencie todas as suas experiências. Na prática usar a força de vontade para criar autoestima é um trabalho exaustivo que simplesmente não funciona.

O que você precisa é ter conhecimento, usar técnicas que irão mudar as suas percepções interiores, daquilo que você pensa a seu respeito. Usando técnicas para mudar as percepções de si mesmo e você muda sua a autoestima. Não precisa fazer força, apenas usar as técnicas.

Então conheça nossas técnicas, entre em contato no whats.

Até breve!